+351 210 302 360 CSM | Linha de Apoio | Marcações
PT | EN
NEWSLETTER

A Terceira Dentição

Quem não gostaria de dar uma segunda oportunidade aos seus dentes?

Quantas vezes ouço: “Se eu soubesse, tinha tratado melhor dos meus dentes!”, ou então “Provavelmente o dente tinha tratamento, mas antigamente arrancava-se logo”

Há diversas formas de substituir os dentes em falta, mas só uma se assemelha ao conforto dos nossos próprios dentes: os implantes dentários.

 

Actualmente ainda nos deparamos com uma grande percentagem de adultos com falta de um ou mais dentes, muitos sem qualquer tipo de prótese para substituir as peças em falta, com todos os problemas que acarreta: desorganização dos dentes remanescentes, dificuldade em mastigar, problemas estéticos e articulares.

O mais frequente é o uso de próteses removíveis totais ou parciais, com todo o desconforto inerente ao seu uso e constrangimento de ter que as remover para limpeza ficando desdentado momentaneamente. Nalguns casos também se pode recorrer às próteses fixas apoiadas nos dentes adjacentes, cujo inconveniente é o desgaste destes, mesmo se estiverem sãos.

 

Actualmente ainda não é possível fazer nascer uma terceira dentição, mas temos ao nosso dispor os implantes dentários. Um implante dentário é uma espécie de um parafuso em titânio que vai ser colocado no local onde estava a raiz do dente extraído, e assim “devolver” o dente, tal como ajudar a preservar o osso naquela zona.

Após anos de estudo, e apesar de ter surgido na década de 70 na Suécia, foi na década de 80 que esta técnica começou a ser usada com frequência e com sucesso.

 

Através de uma pequena cirurgia o implante é colocado no osso, com a finalidade de substituir a raiz em falta. Após 4 a 6 meses de espera para que haja osteointegração, ou seja, união do implante ao osso, faz-se a coroa do dente. Durante o tempo de espera pode utilizar-se a prótese que tinha antes, ou outra solução para que não fique desdentado. Em casos bem avaliados é possível no próprio dia colocar-se uma prótese fixa provisória.

 

Quando se trata de desdentados totais existem várias soluções que são vistas caso a caso.

Para qualquer dos problemas e das soluções, tem ser ser feita uma avaliação do estado de saúde geral, do nível de higiene oral, e da disponibilidade óssea. Também nesta situação e mediante avaliação, é possível no próprio dia sair já com os dentes fixos, embora provisórios, passa-se duma situação de extremo desconforto e constrangimento para um aproximar do ideal, sorriso de orelha a orelha, céu da boca livre, enfim, o maior desejo de quem sabe o que é usar uma prótese total removível.

É um procedimento indolor e permite rapidamente restabelecer a sua vida normal, ou até mesmo conforme as profissões, trabalhar logo após a cirurgia.

  

Dra. Sofia Pascoal


Voltar

Subscrever Newsletter